Um dos sonhos que o microempreendedor individual (MEI) cultiva é ver o seu negócio crescer, certo? Pois saiba que muitos dos degraus que você precisa subir para este objetivo dependem de que você dê ainda mais um passo: a abertura de uma conta pessoa jurídica.

Calma, a abertura de uma conta PJ não é uma obrigação! Você pode continuar tocando sua empresa normalmente, desde que mantidas as restrições do MEI (faturamento de até R$ 81 mil/ano ou R$ 6,7 mil/mês, ausência de sócios e manutenção de apenas um funcionário).

No entanto, algumas situações vão fazer você pensar melhor em desvincular os rendimentos da sua firma de sua conta pessoa física.

Organização

Separar o “seu dinheiro” do dinheiro da empresa é essencial para o negócio decolar. Na conta jurídica, você terá mais controle sobre rendimentos e compromissos específicos da sua vida empresarial. O perfil desta atividade será desenhado pela instituição bancária, o que incluirá limites maiores que aos que você já tem acesso na sua conta convencional.

A própria Receita Federal recomenda que os contribuintes separem os ganhos. Em outras palavras, o cidadão pode cair na malha fina duas vezes (na pessoa física e na pessoa jurídica) caso não consiga detalhar essa distinção de maneira adequada.

Crédito

Para obter algumas linhas de financiamento, será necessária uma conta PJ. A maior parte dos bancos e até das instituições financeiras só aceita a liberação de empréstimos maiores quando o interessado dispõe de uma conta pessoa jurídica.

Grandes empresas

Uma conta PJ é coisa de “gente grande”. Para fornecer para grupos maiores, você precisará deste recurso, que denota seriedade nas transações. A política empresarial de grandes corporações, ademais, não permite aquisições de fornecedores cuja conta seja de pessoa física.

Produtos financeiros

Com a conta PJ, será mais fácil adquirir serviços bancários como cartões e investimentos. Lembre-se: embora tenha um tratamento especial, a figura do microempreendedor empresarial (MEI) é considerada uma empresa, e o dispositivo orçamentário mais adequado para gerenciar os custos é a conta de pessoa jurídica.

Pronto, agora que você já viu as vantagens dessa modalidade de conta, vamos ao passo-a-passo para obter o serviço.

Escolha o banco

Bancos públicos e algumas instituições privadas possuem contas específicas para MEIs. Compare as tarifas, como se fosse abrir uma conta para você (afinal de contas, é para você!).

O site do Banco Central traz todas as tarifas bancárias, atualizadas conforme são alteradas pelas instituições. Nas agências, os bancos também são obrigados a disponibilizar este relatório impresso em um mural.

Reúna os documentos

Em geral, as instituições pedem CPF e RG do empreendedor, certidões da MEI, CNPJ da firma e comprovante de residência;

Aproveite a tecnologia

Bancos estão cada vez mais digitais. Se os aplicativos já nos ajudam na conta pessoal, imagine na conta da empresa!

Com a conta jurídica aberta, prepare-se para crescer e dinamizar ainda mais seus negócios. Boa sorte!