Empresas de factoring e Bancos são instituições que disponibilizam créditos. A primeira antecipa recebíveis ou adquire títulos creditícios não pagos por terceiros. A segunda oferece empréstimos, financiamentos, faz a corretagem de ações e títulos públicos e privados etc.

Empresas de factoring e Bancos são instituições que disponibilizam créditos. A primeira antecipa recebíveis ou adquire títulos creditícios não pagos por terceiros. A segunda oferece empréstimos, financiamentos, faz a corretagem de ações e títulos públicos e privados etc.

Num primeiro momento, para quem ainda não está muito habituado a este universo, ambas as instituições podem parecer semelhantes. No entanto, um olhar mais atento logo revela que elas são totalmente diferentes. Vamos, então, às principais diferenças entre Factorings e Bancos?

Regramento jurídico

A primeira grande diferença é que as factoring são empresas de fomento mercantil e os bancos são instituições financeiras. Ou seja, os bancos precisam de autorização do Banco Central para funcionarem, já as empresas de factoring não.

Bancos e factorings, portanto, possuem regramentos próprios e distintos dentro do ordenamento jurídico brasileiro.

Atuação com pessoas físicas ou jurídicas

As factorings desenvolvem essencialmente atividades relacionadas à compra de créditos de empresas e à gestão de contas a pagar e receber. Sua atuação, portanto, é restrita às empresas, sendo vedada a realização de negócios junto a pessoas físicas. Essa é outra diferença significativa em relação aos bancos, que não possuem tal restrição, podendo atuar tanto junto a pessoas físicas quanta a pessoas jurídicas.

Factorings não emprestam dinheiro

As empresas de factoring, diferentemente dos bancos, não emprestam dinheiro, vale deixar isso bem claro. Como já dissemos, o que elas fazem é comprar títulos de crédito, como notas fiscais, duplicatas, cheques etc.

Pense, por exemplo, que uma empresa X venda seus produtos para a empresa Y. Suponhamos que ela emita uma nota fiscal com prazo de pagamento de 30 dias. No entanto, a empresa X precisa imediatamente daquele valor para fazer frente a uma despesa inesperada. Neste caso, ao invés de buscar um empréstimo junto a um banco, ela pode procurar uma factoring.

A fatoring antecipará, mediante a retenção de uma porcentagem, o valor constante da Nota Fiscal. Ocorre, aqui, a antecipação de crédito, também chamada de antecipação de recebíveis, uma das operações mais características das factorings. Esta operação garante liquidez às empresas, possibilitando maior planejamento e liberdade financeira.

Outra vantagem desta operação é a redução dos riscos, já que é a factoring quem arca com o ônus da cobrança. Ocorre aqui, basicamente, a “venda” da titularidade do documento de crédito, de uma Nota Fiscal, Fatura ou Duplicata, por exemplo. Ou seja, ao antecipar seus recebíveis, a empresa vendedora recebe antecipadamente, diretamente da factoring, parte dos valores constantes da Nota Fiscal. A factoring, por sua vez, agora detentora daquele título de crédito, é quem fica responsável por efetuar a cobrança total dos valores junto aos devedores.

Gestão de contas a pagar e receber

Além da antecipação de recebíveis, outra área de forte atuação das factorings é na gestão de contas a pagar e receber. Bancos, em geral, não prestam esse tipo de serviço.

Mediante contrato, a factoring se encarrega de toda a gestão financeira referente aos recebimentos e pagamentos junto aos credores e fornecedores. A factoring torna-se uma parceira que, mediante valor a ser estabelecido contratualmente, assume esta incumbência.

Desta forma, a empresa consegue transformar seus custos fixos em variáveis. Ou seja, ao invés de manter um aparato próprio e permanente de cobrança e recebimento, paga à factoring apenas um percentual por operação. Assim, a mão de obra disponível na empresa fica livre para ser empregada em outras atividades, permitindo maior otimização operacional.

Resumindo…

Vimos, portanto, que apesar de parecidas, bancos e factorings são instituições com características próprias e distintas. De forma resumida:

  • Bancos são instituições financeiras, factorings são sociedades de fomento mercantil.
  • Bancos oferecem empréstimos, factorings compram títulos de créditos.
  • Bancos trabalham com pessoas físicas e jurídicas. Factorings atuam somente com empresas.
  • Factorings fazem a gestão de contas a pagar e receber, bancos não.

Existem outras características e diferenças entre factorings e bancos, mas, de forma geral, estas são as principais. Quer ficar por dentro de tudo o que acontece no universo do factoring? Então não deixe de acompanhar o blog da Exten, que semanalmente é atualizado com dicas e informações valiosas para o seu negócio.