Pequenos empreendedores e empresas que atuam no e-commerce têm mostrado grande preferência pelos boletos bancários na hora de efetivar suas relações comerciais. O documento é uma forma segura de obter o pagamento por determinado serviço ou produto e ainda é um mecanismo muito adotado pelos consumidores por uma série de motivos. Neste artigo, pretendemos listar alguns deles.

O primeiro é a praticidade. No caso das compras feitas pela internet, o boleto é gerado na hora e já pode ser pago imediatamente. 

Ainda que o ambiente digital do e-commerce esteja cada vez mais seguro, há sempre o risco de sequestro de dados dos cartões de débito e crédito – o que também não ocorre com o boleto bancário. O consumidor informa apenas seus dados mais básicos (nome e CPF, por exemplo), e o documento já pode ser gerado, sem maiores informações.

Para o empresário, também há uma série de vantagens. Por meio das datas de vencimento, é possível programar recebimentos futuros e organizar as finanças da empresa. O saldo dos boletos de cobrança vindouros também pode ser antecipado ou usado para transferências e pagamentos de contas. Os valores oriundos da transação já ficam disponíveis em até um dia útil após a liquidação, sem necessidade de pagamento de taxas adicionais para operadoras de cartão.

Hoje em dia, há várias firmas que atuam como intermediadoras de pagamento, que podem fazer inclusive o gerenciamento e a emissão dos boletos bancários.

E tem mais uma novidade: desde o ano passado, o sistema conhecido por Nova Plataforma de Cobrança permitiu que documentos vencidos pudessem ser pagos em qualquer banco, e não apenas naquele que originou a cobrança. A funcionalidade permitiu a redução de R$ 5,1 bilhões que deixaram de circular em espécie.

Registro

Vale lembrar que, desde 2018, a maior parte das relações comerciais efetivadas por meio deste documento se dá pelo boleto registrado – um mecanismo a mais de segurança criado pela Federação Brasileira dos Bancos (Febraban). Agora, é obrigatório que a ficha de compensação informe os dados do prestador de serviços ou vendedor e o nome e CPF do comprador. 

Ainda assim, a Febraban faz uma série de recomendações para evitar maiores transtornos. O cliente deve sempre conferir os dados e o valor antes de fazer o pagamento. Caso haja descontos para o pagamento à vista, é necessário informar no campo de descontos caso o pagamento seja feito no caixa eletrônico ou no internet banking. O mesmo vale para juros e multas em caso de atraso.

Em caso de inadimplência, além de não efetivar a entrega no caso de fornecimento de produtos, o documento pode servir para cobranças administrativas ou judiciais – nada muito diferente das transações feitas em dinheiro ou cheque.

Cumpridas essas sugestões, o empresário e o consumidor têm no boleto um método seguro, rápido e confidencial de fechar um negócio.